Depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha especialíssima

Geral

Houve muita emoção quando Hidilyn Diaz subiu ao pódio para receber sua medalha de ouro olímpica – a primeira das Filipinas ha história das Olimpíadas.

A halterofilista de 30 anos manteve sua reverência durante a execução o hino nacional do país tocava, enquanto as lágrimas escorriam por seu rosto.

A atleta filipina venceu a categoria até 55 kg no Tokyo International Forum e superou a chinesa Liao Qiuyun, dona do recorde mundial, que teve que ficou com o segundo lugar.

A cerimônia de premiação ficou ainda mais especial quando a levantadora de peso ergueu sua medalha para mostrar à multidão. No entanto, não era a medalha de ouro reluzente que ela exibia, mas a Medalha Milagrosa de Nossa Senhora, que ela também levava no pescoço.

A campeã expressou sua surpresa por ser capaz de chegar ao lugar mais alto do pódio:

“Acho que foi Deus e todas as pessoas que oraram por mim… Agradeço a todos aqueles que oraram e fizeram a novena”.

Medalha ainda mais preciosa

A Medalha Milagrosa de Diaz é, obviamente, muito preciosa para ela. Juntamente com as orações de todos aqueles que a apoiaram em seu caminho, foi fundamental para a vitória. Como ela explicou ao site Spin.Ph, uma amiga dela lhe deu a medalha e fez uma novena por ela:

“Ele fez uma oração de nove dias, depois eu também fiz uma novena. [Foi um] sinal de orações e fé em nossa Mãe Maria e em Jesus Cristo”.

As orações de todos os seus amigos, familiares e fãs foram certamente atendidas. Com as Filipinas competindo nas Olimpíadas por 97 anos, a primeira vitória de Diaz para o país será, sem dúvida, motivo para uma grande comemoração.

É preciso lembrar que o país teve algumas das restrições de quarentena mais severas do mundo durante a pandemia, tornando o treinamento dos atletas extremamente desafiador.

Na corrida para sua quarta Olimpíada, tendo ganhado uma medalha de prata nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, Diaz ficou presa na Malásia sem acesso a equipamentos de treinamento. Ela utilizava mastros e garrafas de água como pesos – e uma força de vontade que só poderia ser enviada do céu.

“Achávamos que era impossível, eu também achava que era impossível, essa pandemia, estamos em uma pandemia, as Olimpíadas são impossíveis. Mas estamos aqui agora. Então, nós podemos fazer isso. Não desista. Quaisquer que sejam os desafios e provações, vamos orar a Deus para que Ele nos guie”, compartilhou a campeã com o site ABS-CBN News .

Assim, armada com sua medalha e sua forte fé, Diaz superou todas as expectativas. “Fiquei surpresa por conseguir isso. Deus é excepcional ”, destacou ela em entrevista a Gretchen Ho, da Cignal TV.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *